Mais poemas

M.o.r.t.e.
I

O amor que não tive tranca as asas pela casa,
asas mortas na sede de vôos que jamais virão.
Chamava-se água-da-vida
- não sei se você se interessa, lembra, sabe -,
chamava-se água-da-vida a cachaça que sufocou o Fernando.
Perceba que longe, tão longe,
alguém se desespera,
rasgando a noite
com pedidos de socorro.
Não se aflija: não sou eu, não é ninguém.
O dia foi quieto, dentro e fora da pele,
o suor dos amores passados extirpado
na espuma do sabão.
Idade morta, mundo parado,
quase não sinto a hemorragia cristalina dessa droga
avançando pela garganta
peito, umbigo, ventre,
disfarçada com sal-&-limão,
arde tão plena,
devastando-me o corpo
que o amor não tocará.
*********************************************************************
Lembrete ao Ivã Coelho que me chama de "sem coragem" pra publicar meus poemas. Primeiro: não é uma questão de coragem, publicar é sorte pura, escapa-nos, porque precisa da vontade alheia (editoras) mais do que da nossa; segundo: está no forno da Bahia, patrocínio do Banco Capital, uma antologia com 07 poetas, prevista para o início de 2006, eu farei parte dela com 05 poeminhas. Até lá.

Comentários

  1. Oi..só p dizer que venho sempre por aqui..apesar de sair com sensações sombrias as vezes..

    ResponderExcluir
  2. O não tocará? Mesmo? espero que seja apenas eu poe´tico. Você é muito gostosa pra ficar sem toque. Heheheheheh!

    ResponderExcluir
  3. Desculpe, quis dizer "o amor não tocará". Beijinhos frios de London.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Entrevista com o poeta João Filho

Série: a difícil-incrível arte de viver - parte III

Série: a difícil-incrível arte de viver - parte II