Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2007
Imagem
PAPOULAS DE JULHO
Ó papoulinhas pequenas flamas do inferno, Então não fazem mal? Vocês vibram. É impossível tocá-las. Eu ponho as mãos entre as flamas. Nada me queima.
E me fatiga ficar a olhá-las Assim vibrantes, enrugadas e rubras, como a pele de uma boca.
Uma boca sangrando. Pequenas franjas sangrentas!
Há vapores que não posso tocar. Onde estão os narcóticos, as repugnantes cápsulas?
Se eu pudesse sangrar, ou dormir! Se minha boca pudesse unir-se a tal ferida !
Ou que seus licores filtrem-se em mim, nessa cápsula de vidro, Entorpecendo e apaziguando. Mas sem cor. Sem cor alguma.
(Sylvia Plath/ Tradução de Afonso Félix de Souza )
Imagem
[...] Deixa a depressão lá. Quietinha. Esperando do outro lado da pista. Não quer se perder no trânsito por desagulhas do amor.
Que o mundo se roesse em lágrimas, se explodisse, se esturricasse longe dela. Não se importaria. Queria apenas ficar quieta. Nada pra pensar, nada pra fazer.
Com as mãos pode brincar de coelhinho: dois dedos erguidos, o indicador e o anular, e o resto dos dedos em forma de nó, juntos. Fazendo movimentos na penumbra da parede. Com a outra mão, faz a boca de um lobo, alongando os dedos e os curvando como se fosse desenhar um “C” com eles. Realmente, parece um lobo perseguindo o coelho.
Ela ri: isso aprendeu com Wim Wenders... Asas do desejo ou Tão longe, tão perto?
Levanta-se e põe uma música. A música ainda é tudo de leve e verdadeiro num mundo cretino, caduco. Look at me/ who am I supposed to be?/ look at me/ oh, my love...
Sim, amor da minha vida, o cansaço estranho outra vez.
Foi na cozinha esquentar a comida. Provou o suco de manga.
Um bilhete da mãe deixado na p…
PROGRAMA PETROBRAS CULTURAL - SELEÇÃO 2006 / 2007PRODUÇÃO E DIFUSÃO - LITERATURACRIAÇÃO LITERÁRIA: FICÇÃO E POESIA


PROJETO CONTEMPLADO


PROJETO LITERÁRIO PRIMAVERA NOS OSSOS - ROMANCE
Protocolo: 3533
Proponente: Alessandra Leila Borges Gomes
Estado do Proponente: BA
Apresentação: Romance com linguagem experimental focada na representação da experiência de uma mulher estuprada.

Acho que Alessandra Leila Borges Gomes sou eu, uauauauau!