Chuva Secreta - conto por conto

Chuva Secreta apresenta 09 contos ligados pela simbologia da chuva, que funciona enquanto espaço para a urgência das descobertas subjetivas. A chuva cai e provoca confissões e reflexões, desfechos e autoconhecimento, varrendo esse mundo "secreto" das personagens; as nove histórias ocorrem em lugares variados (grandes cidades, em geral) e quase sempre implicam transformação da condição de sujeito:

- O Gato Que Ri traz as consequências de um drama familiar que de tão entranhado na mente do protagonista acaba atingindo sua visão, provocando-lhe confusão e perda de foco; gradativamente o sujeito vai perdendo a capacidade de "enxergar" o mundo, enquanto passeia por uma São Paulo alheia às dores subjetivas, mas cheias de marcas e signos que podem, subitamente, remeter o protagonista ao passado que ele deseja esquecer;
- Senhora Minha é uma revisitação do mito da alma gêmea; dois ex-amantes tornam-se, no mundo virtual, interlocutores vorazes e assim conseguem suplantar uma antiga demanda de alma gêmea ou par perfeito. Paralelamente a esse fio narrativo, o leitor vê desenrolar um crime, que surpreende pela crueza com que flagra a realidade desses personagens, marcada pelo ciúme, pelo sentimento de vingança e dissimulação; um crime passional se desenrola do outro lado da linha que separa a idealização amorosa, e tal acontecimento exige novo posicionamento do protagonista; a história se passa em Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Palmas;
- Conexo é um conto escrito em forma de flash, que se desenrola em Minas Gerais, e flagra uma mulher dividida entre o desejo de ler um bom livro numa tarde chuvosa (sede de arte, portanto) e o desejo de seduzir a vizinha do apartamento de frente (sede sexual, melhor dizendo: homoerótica), a conexão entre esses dois desejos se faz a partir da própria concepção que a personagem constrói acerca do feminino e de sua alta capacidade de adaptação;
- Quando Estávamos nos Mesmos Arvoredos é o embate de valores coletivos versus valores individuais; tal confronto, com tons apocalípticos, ocorre simbolicamente numa praça em Salvador, quando um pelotão de varredores de rua (na verdade, a voz da ordem objetiva) se vê acuado pelas ações desconectadas e egoístas de outros indivíduos que não partilham da ideia de "coletividade";
- O Azul que Sobra Quando Breu é uma carta de amor de um homem apaixonado ao seu parceiro, que lhe abandonou pra ir se aventurar no Oriente; a rememoração desse caso de amor interrompido ocorre numa Salvador chuvosa, que flagra as instabilidades das relações amorosas contemporâneas que podem ser rompidas num piscar de olhos, por uma ausência de um projeto de vida a dois;
- O Eixo e a Sombra é um dos textos mais longos do livro, e registra quatro complexos eixos temáticos: a dor da perda de uma amiga querida (que nos leva a uma revisão de nossa posição acerca da morte); o conflito ético entre publicar ou não publicar o espólio literário dessa amiga morta (no caso, uma dramaturga com um baú de peças inéditas e inacabadas, o que nos leva à discussão do que é válido artisticamente e o que é puro interesse mercadológico); a dificuldade de se manter uma única posição ideológica (o que nos leva a um estranhamento dos caminhos que nosso pensamento pode, de repente, tomar) e a dificuldade humana de conhecer sua própria sombra ou duplo;
- Felicidade Não Se Conta é um conto homoerótico que tem como pano de fundo uma Maceió chuvosa e isoladora; o texto mostra o cotidiano de dois artistas (um poeta e um pintor) às voltas com a necessidade de sobreviver ao ritmo acachapante do cotidiano a dois; através de signos poéticos como o dos dias chuvosos, as cores, as canções e demais referências do casal, eles vão desfilando toda uma história de solidão, melancolia, perdas, mas, também, de cumplicidade e realização amorosa; conto vencedor do 20º Concurso Luiz Vilela, em 2010;
- Não Se Esqueça de Pisar Firme no Coração do Mundo é a triste história de um sujeito que se considera a pessoa mais feia do mundo; prestes a completar trinta anos, esse rapaz passeia de bicicleta pela sua cidade (Aracaju) e nesse passear investiga subjetivamente as razões porque se tornou esse ser humano acuado, isolado e "patinho feio"; novamente, como ocorre em Senhora Minha e O Eixo e a Sombra, a ideia de uma subjetividade escondida ou "que faz sombra sobre a outra" surge e faz um jogo de opostos entre o sentimento de feiura absoluta (patinho feio) e a projeção interna desse protagonista (cisne); conto selecionado pra integrar a antologia alemã Wir Sind Bereit, organizada por Marlen Eckl e publicada em 2013, pela editora Lettrèatage;
- Epiceno é uma espécie de poema em prosa, cantado ou narrado por um protagonista que não se sente nem homem nem mulher, um ser humano epiceno; às vésperas de ficar só, temporariamente, em virtude da viagem de seu namorado (poeta profissional) para um evento literário, o personagem "epiceno" repassa as sensações eróticas de pertencimento e entrega.

Chuva Secreta já está à venda na Livraria LDM. Próximo lançamento: Bienal do Livro de Salvador, dia 09/11, às 19h., no boxe da Editora Casarão do Verbo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Entrevista com o poeta João Filho

Série: a difícil-incrível arte de viver - parte III

Série: a difícil-incrível arte de viver - parte II