Postagens

Mostrando postagens de 2017

Vim ver o Roberto, cara!

Imagem
1. Feira de Santana ensaia uma chuva desde cedo. Manhã de chuviscos, início de tarde nublada. Prevista por todos os telejonais e rádios, a chuva é um dos medos de quem veio ver Roberto. O Estádio Jóia da Princesa só tem proteção no palco — lugar naturalmente feito pro Rei — e nas arquibancadas especiais (um toldo branco pouco confiável). Mesmo as cadeiras azuis (R$ 380,00), as amarelas (R$ 290,00) e as brancas (R$ 170,00) não foram cobertas, assim como as arquibancadas gerais (R$100,00). As senhoras precavidas que trouxeram seus guarda-chuvas não poderão contar com eles: à porta, os seguranças revistam e tomam qualquer objeto, alegando que podem funcionar como arma. Na saída, as senhoras podem pegá-los de volta, explicam os rapazes de ternos escuros. Na saída não adianta, precisamos da sombrinha lá dentro, reclama uma senhora de vestido verde chiquérrimo, cabelos quase totalmente grisalhos. Mãe, fique calma, não vai chover, atalha a filha, voz grave, vestido prateado, sapatos de 15cm…

Série: a difícil-incrível arte de viver - parte IV

Imagem
A BELEZA DO MUNDO

1. São 16h12 de uma agradável segunda-feira. Tomo meu café vespertino na varanda e ouço minhas baladas preferidas dos Scorpions - com fones, é claro. Mas logo sou obrigada a retirar os fones pra assuntar o mundo: um menininho tenta andar na rua Recife, guiado pelo pai. Deve ter 1 ano, e é todo desajustado com o espaço, parece que quer andar até com a cabeça, tamanha é a força com que se joga a cada passo. Braços, pernas, cabelos vão juntos na passada, enquanto o pai segura na mão dele e o estimula: vamos, mais uma vez, vamos, meu filho, vamos!

2. Há momentos em que o neném para e arfa. Olha a calçada, olha o pai, olha pra frente. Daqui não posso ver a cor dos seus olhos, tampouco conjecturar o que expressam. Talvez duvide que essa seja a forma certa de se aprender a andar. Quem sabe considere uma tarefa cansativa, uma brincadeira sem futuro que o pai lhe inventara nesta tarde morna. Mas, pelo sim, pelo não, ele toma fôlego e ergue o pé, como quem vai chutar o unive…