O áspero poema? Não mais quero.
O inviável abismo? Já descri.
Foi com inabalável esmero
que duramente me persegui.

Se tudo é insuficiente, espero.
O instante vence o tédio, senti.
Se a valsa mudou-se em bolero,
o ritmo pouco importa, vivi.

Pelo tropeço suavizei o passo.
Seu corpo é o sentido que devasso
devagar, como quem respira.

Gota que se equilibra suspensa -
a vida. Mínima que é imensa,
quando pensa que é real, delira.

In_ JOÃO FILHO. A dimensão necessária. Itabuna: Mondrongo, 2014.
À venda

Livraria Cultura:
http://pesquisa.livrariacultura.com.br/busca.php?q=a+dimens%C3%A3o+necess%C3%A1ria+jo%C3%A3o+filho

Loja Singular:
http://www.lojasingular.com.br/literatura-brasileira/a-dimens-o-necessaria_9788565170451.html

Livraria Hora de Leitura:
http://www.livrariahoradeleitura.com.br/

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Entrevista com o poeta João Filho

Série: a difícil-incrível arte de viver - parte III

Série: a difícil-incrível arte de viver - parte II