Fonte da Imagem: http://www.galeriaaberta.com/eduardo_patarrao/slides/Coral%20azul.jpg




Só porque achei no chão

a estrelinha azul que você perdeu

comecei a repensar no nosso amor.



Essas casas simples de cimento vermelho

levam nossa tristeza pra dentro do tamarindeiro.

As tardes inteiras vão passando calmas na rede,

enquanto mata adentro os grilos nos falam

do quanto a noite será extensa.



Só porque colei na palma da mão

a estrelinha azul que você esqueceu

nosso amor deixou de ser mero pensamento.






Comentários

  1. "Essas casas simples de cimento vermelho..."

    isso me diz muito, tempos de serenidade, reflexões em algum cantiho do recôncavo baiano.

    até a próxima.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Vim ver o Roberto, cara!

Entrevista com o poeta João Filho

Série: a difícil-incrível arte de viver - parte III