terça-feira, fevereiro 05, 2008

Talvez fosse você, eu conversava sobre as possibilidades ainda existentes de usar partes do meu nome, combinações outras, que não me exponha de todo mas não me retenha muito, então a voz reclamava, estava eu voltando pra casa, na rua escura, sem ninguém, voz sem corpo e sem contorno melódico claro, talvez fosse você em meu ombro, falando de tantos outros nomes, casamentos desfeitos, chuvas que não nos molharam bem, qualquer relação invisível assim, que de olhos abertos ninguém entende, capta, estabelece, talvez fosse mesmo você, eu dizia que só havia tentando duas vezes, estava envelhecendo e precisava acelerar, esta é apenas a segunda tentativa, o casamento é uma ilusão espiritual que cola demais, a voz rebatia, cola nada, eu devolvia, gente incompetente tem mania de jogar a culpa nas coisas e não em si, cola, claro que cola, ecoava em meu ouvido, a voz sem nitidez, talvez fosse mesmo você, sobrevoando o ar da rua, enquanto eu voltava dentro da escuridão e feliz, enfim, por ter uma casa, procurava ignorar, não ouvir tudo aquilo que era dor e era conselho, oriundos, talvez, agora percebo, bem que podia ser você.

Um comentário:

  1. elisca4:10 PM

    olá allex,
    acabei de ler o seu conto elefante e fiquei impressionada. quis saber mais sobre você. achei este blog na internet e decidi te escrever.

    vou me presentar, meu nome é elisa, sou italiana e faz dois meses que estou morando no brasil, em são paulo. estudei tradução na italia e na espanha e estava trabalhando como tradutora pela universidade de granada. mas, um pouco por amor e um pouco por curiosidade, resolvi viajar pro brasil.
    aqui, pra mim, é tudo muito novo. estou descubrindo que as coisas são feitas dum jeito diferente, e entre estas coisas está também a literatura. nunca tinha lido tantos contos -e bons- como aqui no brasil. em particular, gostei muito de te ler.

    estou pensando em começar um maestrado na USP e o meu projeto de tese seria sobre literatura femenina brasileira ainda desconhecida na itália.
    na itália, a literatura brasileira é confinada aos estantes dos professores de português e muito pouco conhecida ao grande público. também, eu acho, é um problema de oferta: o número de traduções ao italiano é muito baixo.
    então, como tradutora e como pessoa convecida do que uma boa tradução pode abrir portas sobre um pais inteiro, vou propor pro meu orientador - come tese de mestrado- uma tradução ao italiano de uma autora brasileira. pensei numa mulher porque, tanto na tália como no brasil, as mulheres na literatura ainda são uma minoria, as vezes mais por questões sociais que de mérito literario.
    o que você diria se o tema da mihna tradução foram os seus contos? você gostaria de ser traduzida? ficaria irritada? pensou nisso alguma vez?
    se for interessada, posso te mandar um esboço da tradução de elefante

    espero que me responda sinceramente e rapidamente... meu email é eli_sca@hotmail.com
    um abraço
    elisa

    (também gostaria de ler mais coisas suas, mas não achei a editora que publicou os seus outros livros e a minha biblioteca de confiança aqui em são paulo - creia me- parece que parou de renovar seu acervo faz uns 20 anos.)

    ResponderExcluir

Paulistânias II

1 Você deve esquecer que dormiu mal, que dorme mal há semanas, desde que se mudou pra cá. Esse negócio de deixar o negativo de lado (qui...