1. Há um tipo de solidão que é pura vertigem: não passa pela razão, não tem motivos no cotidiano concreto dos afetos e relações, só tem, ao que parece, gatilhos; solidão que nada preenche nem faz entender. Você põe Cassandra Wilson, enche um copo de Buchanas, três pedras de gelo, tenta apenas dissolver a sensação. Ou piorar, por que não? Afinal, você é daqueles que Dr. Freud chamava masoquistas, não? Sure! Nada é tão ruim que não possa ficar pior! Mergulhar de vez e fazer valer o que o oráculo há séculos te previa: Escorpião, o mais obscuro dos signos.
2. O tema é: como aprofundar o corte ainda mais. Ou: como a faca pode ir além. Sim, sim, por que não? Ou: que mal há no fundo do fundo mais fundo profundo do abismo?
3. Deixe disso: o sábado é belíssimo e os passarinhos fazem seus barulhos, aos quais chamamos de "canto", nas três amendoeiras lá embaixo. O céu, azulíssimo, faz duvidar das chuvas de horas atrás.
4. Você leu há pouco dois contos magnificamente bem escritos do livro "Consternação", de Jadson Barros Neves. Lá, além de desamparo e miséria, havia tortura e apego a qualquer resto de sentido na vida. Você leu e pensou, ao final, o que se pode pensar: os contos absolutamente nada têm a ver com seu mundo, são curiosamente deslocados prum universo onde você jamais perambulou. Entretanto, a crueldade deles é tão intensa que torna o humano mais próximo, e, por que não dizer?, mais possível, mais belo. Belo? Sim, a beleza magra dos cachorros abandonados. Essa gente que ninguém olha, ninguém vê - é disso que fala "Consternação".
5. Começa o Radiohead a cantar "Creep", talvez a tradução mais perfeita do que você, secretamente, sente. E você engole o resto do uísque cantarolando: "But I'm creep, I'm weirdo/what the hell am I doing here?" Sim, meu bem, o quê? Essa é a pergunta que ecoa no Cosmos, que atravessa os séculos, que cala todas as crenças e descrenças.
5. Seu amor está em Mutuípe. Sul da Bahia. A trabalho. Mutuípe, você pensa, que nome estranho de se pronunciar, indígena, é óbvio, também é zona do cacau? Também é área de descobrimento? Perguntas tolas num sábado de sol fraco.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Entrevista com o poeta João Filho

Série: a difícil-incrível arte de viver - parte III

Série: a difícil-incrível arte de viver - parte II