[...]
O poço-pergunta muitas vezes é perder-se.
Eis o labor que nos foi dado – crer.
Da falta de fé erguer nosso muro
de enfado e desistência?
Não foste o único e
nem será o último, quando chegaste
a urbe já estava erguida, e não se queixe,
ainda restam bons usos,
aí tem o primário para o mínimo,
entre ceia e manhã
o seu curso.
(João Filho)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Vim ver o Roberto, cara!

Entrevista com o poeta João Filho

Série: a difícil-incrível arte de viver - parte III