sábado, março 17, 2012

Morrisseriana


Não choveu uma chuva desesperada sobre mim. Não entraram outra vez os raios de sol da primeira manhã em que te descobri, vivo, nalgum canto do planeta, cantando pra mim. Não abriram as derradeiras flores do dia, estupendas, coloridas, pra que eu te levasse braçadas delas em agradecimento. Os carros não cessaram lá fora. As pessoas não cessaram ao redor. Mas dentro da luz – a tua, somente a tua –, no espaço único onde apenas cores e sons juntos a tua imagem reinam, nada existia além/aquém, éramos somente eu e tua voz.

Um comentário:

  1. Ainda consigo escutar as guitarras na introdução de “First of the Gang To Die”, o atrito entre duas pedras. Depois...

    ResponderExcluir

Paulistânias II

1 Você deve esquecer que dormiu mal, que dorme mal há semanas, desde que se mudou pra cá. Esse negócio de deixar o negativo de lado (qui...