sábado, abril 03, 2010


Imagem by katia Almeida
Uma música que se altera. Dias há em que é somente um sopro entorpecendo; um voo, um esquecer as agulhinhas, muitas, tantas; um novo poder voar por uns segundos.
Noutros dias, a violência do farfalhar das cortinas bate contra os sentidos; cérebro e dentes rangendo; tremores e nascimentos; umas células desgrudando; pelos poros capilares, é possível sentir algumas delas morrerem, outras, substituindo-as em seguida.
Loucura. Apenas loucura.
O tecido das cortinas cinzentas.
Sim, somente isto.
Quando as cortinas se movimentam, é possível ir além. A carne escancara as portas. Ou antes, as portas é que são escancaradas pela corrente de zumbidos, chicote de vento nas cortinas, as cores feito sangue fluindo, e a vertigem que aumenta o poder de sentir, que desfaz o limite corpóreo, apaga o que restringiu o corpo, desde o princípio, a ser somente corpo.
Liberdade de voar junto ao tecido. Como a textura das mantas verdes ou azuis que cobrem os primeiros dias de vida. Os sons que são arrancados das dobras do tecido, que continuam a se estender, chicote e chocalho, minutos ruidosos que cessam repentinamente, depois recomeçam.
Uma música calada.
Horas virão em que tudo restará calmo, dobras lentas se abrindo feito leque. Param. A noite, a sopa, o café. O pão. As mãos de alguém se ocupando de outro alguém. A sagrada água com que se lava os resquícios do dia. Falas mínimas. Quase tudo está morto, querida. Os olhos vão sumindo. Madrugada. A música retornando: vai chover. Ninguém pra fechar a janela. Os pingos entrarão. [...]

5 comentários:

  1. Palavras que soam como a mais pura prosa poética. E de uma sugestividade de imagens em sinestesia e de profunda linguagem expressional. Meus parabéns.

    Beijos e saudações de Claudio.

    ResponderExcluir
  2. Renã Leite Pontes3:54 PM

    Diletíssima Professora,
    sua prosa poética esbanja talento de éter -sentimento, bem diferente daquelas que enfastiam, sua prosa nos prende a atenção. continue e parabéns.
    Renã Leite Pontes

    ResponderExcluir
  3. Renã Leite Pontes4:29 PM

    Diletíssima Professora,
    Sua prosa poética esbanja talento de "éter -sentimento".
    Diferentemente daquelas que enfastiam, sua poética nos prende a atenção.
    Continue e parabéns!

    Renã Leite Pontes

    ResponderExcluir
  4. Olá. como vc fez para ligar seu blog a minha obra? Só por curiosidade!
    Sou Katia Almeida - Artista plástica.
    Autora da obra metrópole.
    Meu site www.respirandoartek.elo7.com.br

    ResponderExcluir
  5. Elisangela Campos10:25 PM

    Parabéns!!!

    Professora, gostei muito da sua prosa,diferente chama atenção do leitor.

    Elisângela Campos

    ResponderExcluir

Paulistânias II

1 Você deve esquecer que dormiu mal, que dorme mal há semanas, desde que se mudou pra cá. Esse negócio de deixar o negativo de lado (qui...