Ao mesmo tempo que passa, permanece.
Subindo em bolhas.
Aglutinando, aproximando,
afastando-se.
No fundo, é a tela azul da mente,
sem novidades,
de um azul machucado e denso.
No foco, as mesmas imagens,
de ponta cabeça,
de lado,
de frente.
Viajam.
Como viajavam em minha xícara
os milhares de guarda-chuva coloridos
enquanto, agasalhada, tomava café
e te esperava.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Entrevista com o poeta João Filho

Série: a difícil-incrível arte de viver - parte III

Série: a difícil-incrível arte de viver - parte II