Estamos aqui por acaso
e somos aranhas.
Gritar é uma forma de vida,
não gritar é outra.
Escolhas nenhumas
ou
escolhas algumas.
É possível sobreviver?
***
Estar de algum modo em casa e não estar.
Esta é uma luz rotineira em nossos espíritos. Evidentemente: não todos os espíritos, os mais afinados talvez.
Há uma pesquisa ainda a ser feita acerca do movimento quase imperceptível dos corpos quando fora do espaço concreto, com suas circunferências e ecos presos na gargantas a se perguntar por que somos seres humanos, aonde vamos no escuro, enquanto humanos, por quê/para quê.
A luz do dia é morna e esgota, em geral as perguntas menos carne.
É defeito da antena apresentar falas na transmissão logo pela manhã?
Ou é qualidade da antena calar o que a noite não escondeu?

Comentários

  1. Olá Àllex!
    como tem passado?
    Sinto falta das suas aulas na Unifacs. Sinto falta da professora que encanta a literatura e que indica livros pra mim.
    Seu saldo foi muito Positivo na Unifacs, falo por mim e por grande parte daqueles que não Liam seus textos[risos].
    Falando em saldos, você me deve.
    Pretendo cobrar!
    Há um tempo eu cmprei 'Outras Moradas', mas ao contrário de Henrique, ele não está autografado!
    Essa é sua dívida! Gostaria de ir no sebo pra receber meu pagamento e matar as saudades!!! Pode ser?
    Se puder, bastar dizer o dia e o horário que eu estarei lá!
    Saudades da Mestra!
    Como vai o projeto de Primavera nos Ossos?
    Quero ser convidado para o lançamento viu? Não abro mão!
    Beijos e sucesso na sua vida sempre!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Entrevista com o poeta João Filho

Série: a difícil-incrível arte de viver - parte III

Série: a difícil-incrível arte de viver - parte II