Os antigos têm razão quando dizem da importância de se acordar cedo, não há nada melhor no mundo para acender o cérebro da gente do que a luz crua da manhã.
Está um tempo chuvoso, e ela já acumulava milhares de imagens e frases soltas que são, em verdade, o seu passaporte pra um mundo interior.
O que haveria de ser pintado, dito?
Contar os passos na rua dos Escravos, entre as pedras irregulares, os acertos e topadas dos pés dentro dos sapatos.
Pensou então inteira dentro dele: um amor claro, mas não tão límpido que não pudesse conter as salamandras.
Era isso o que lhe prometera?
Não sabia.
Recordar, por vezes, é se atirar em quartos escuros.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Entrevista com o poeta João Filho

Série: a difícil-incrível arte de viver - parte III

Série: a difícil-incrível arte de viver - parte II